Sábado, 07 de Dezembro de 2019

Buscar  
Mundo

Publicada em 24/10/19 às 11:51h - 24 visualizações
Ciência Japão importa vírus ebola em preparação para as Olimpíadas de 2020
Os cientistas pretendem usar os agentes infecciosos para validar o diagnóstico de ebola e quatro outras doenças

Manancial FM


 (Foto: Manancial FM)

Ano de olimpíada comove o mundo inteiro. O país sede recebe milhares de pessoas, culturas, dinheiro e… doenças. 2020 é a vez do Japão sediar os Jogos Olímpicos — e ele já está tomando as primeiras medidas para evitar possíveis surtos durante o evento.

Em setembro, o Japão importou cinco vírus causadores de doenças, inclusive o ebola. Os pesquisadores do país desenvolveram diagnósticos que indicam se a pessoa porta um vírus infeccioso. Os patógenos importados servem justamente para testar e validar o novo método.

Além do ebola, os quatro outros agentes são causadores de febres hemorrágicas típicas da América do Sul e África, como os vírus de Lassa e de Marburg. De acordo com a Nature, esses são os vírus mais perigosos e letais que já entraram no Japão.

Todos esses necessitam de biossegurança de nível 4. Essa classificação é reservada aos causadores de doenças letais, que devem ser guardados em instalações especiais e só podem ser manuseados segundo uma série de regras rígidas.

O Japão só tem um estabelecimento adequado para abrigar os “intrusos”: o Instituto Nacional de Doenças Infecciosas, a 30 quilômetros de Tóquio. O laboratório precisa ser localizado em um prédio isolado e conter sistemas de descontaminação e outras medidas de segurança. Para trabalhar lá dentro, é preciso usar uma roupa completa pressurizada e com fornecimento de ar, quase como um uniforme de astronauta.

Apesar de serem extremamente perigosos, os vírus podem evitar um problema muito maior. Com a recepção de tantos visitantes internacionais, não é impossível que o país tenha que lidar com doenças infecciosas durante ou depois das olimpíadas.

O Japão precisou importar os vírus porque não há ocorrências dessas doenças no país. Segundo Masuaki Saijo, diretor do departamento de febres hemorrágicas do instituto, as pesquisas e técnicas desenvolvidas com os patógenos irão ajudar não só no momento das Olimpíadas, mas também na a prevenção de outras ameaças infecciosas no futuro.




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:


(18)99192 0006

No Ar Neste Momento!!Seja Abençoado!!
Programa Generation - Apres. Josi
Peça sua Música

  • Nayara
    Cidade: Mirante do Paranapanema
    Música: DE JOELHOS : FLOR DE LIS
  • silvana
    Cidade: cuparaque mg
    Música: sou casa
  • Pr. Salomao Willian de Portugal
    Cidade: Coimbra Portugal
    Música: Me chamou de filho Cantor Dalton Guedes
  • jose ribeiro
    Cidade: pv
    Música: deus abre mar debora e leia
  • Madson Cotta
    Cidade: Birigui
    Música: Resultados da pesquisa Resultado do Mapa de informações Video Thumbnail ANDRÉ AQUINO - QUANDO ELE VEM
  • Laís ouro
    Cidade: Pv
    Música: Kemilly Santos (A promessa)
Publicidade Lateral
CHAT ONLINE

Digite seu NOME:


Estatísticas
Visitas: 149587 Usuários Online: 12


Parceiros

Copyright (c) 2019 - Manancial FM - Todos os direitos reservados